Trânsito, a epidemia impiedosa

Por que nossos filhos e inocentes estão perdendo as suas vidas para a violência no trânsito?


RIO – Morrem atualmente no mundo (dados da OMS) cerca de 1.300.000 pessoa/ano, deixando ainda um rastro de mais de 50 milhões de feridos, a um custo aproximado de US$ 518 bilhões/ano! Neste trágico cenário, o Brasil contribui com mais de 60.000 mortes/ano, quase 600.000 feridos, além de um verdadeiro exército de mutilados com 150.000 pessoas com lesões irreversíveis. Destes, milhares são jovens que confessam ter acabado com as suas vidas e a de seus pais, fruto de sua irresponsabilidade. Outros tantos foram excluídos do convívio social, afastados do mercado de trabalho, muitos arrimos de família. É o equivalente a 165 mortes/dia, sete a cada hora. Tudo isto pela bagatela de mais de R$ 40 bilhões/ano. Há anos a violência no trânsito em muitos países vem sendo tratada como um problema de saúde pública, pois mata e fere mais do que muitas guerras e acidentes naturais, aumentando a perda da qualidade de vida de seus cidadãos. Aqui no Brasil, tragédias de trânsito são tratadas como algo imprevisível, desconsiderando-se que as mesmas são perfeitamente evitáveis, alimentando na nossa sociedade o cruel conceito de que motoristas saem às ruas sem intenção de matar, ou de ferir deliberadamente! Este errôneo conceito é o principal fator que alimenta a impunidade. Contudo, não é apenas a sociedade, a vilã de manter a IMPUNIDADE no topo do pódio. A própria Justiça brasileira defende este conceito na medida em que trata a quase totalidade das ações que produzem mortes no trânsito como homicídio culposo, isto é: quando não há intenção de matar, reservando aos motoristas de direção irresponsável e assassina apenas a doação de cestas básicas como sentença. E o que dizer disto? Uma decisão calcada em uma lei e código retrógrados, que comparam a vida de nossos filhos a alguns grãos de arroz e feijão! Aos senhores da lei, deixo aqui a pergunta: “quanto vale a vida de seus filhos?
A sociedade precisa urgentemente mudar o seu comportamento no trânsito. Para aqueles que menosprezam o dom da vida, que lhes sejam impostas as mais duras penas! Afinal, quando haverá intenção de matar?
Sem políticas públicas permanentes de governo, sem o comprometimento das autoridades e sem um Judiciário voltado para esta triste realidade, permaneceremos contemplando nossos filhos morrendo como frutos maduros que caem das árvores!
É preciso reconhecer que as estatísticas de mortalidade no trânsito não apontam tão somente para algo muito além do número de mortes, mas também para a forma desumana de sociabilidade nas vias públicas deste país, para a fragilidade dos mecanismos de fiscalização e gestão do trânsito brasileiro, da qualidade da fabricação e segurança de nossos veículos e principalmente para o padrão de atendimento aos acidentados e das vitimas fatais de trânsito deste país chamado Brasil!
Apesar dos esforços da Lei Seca, o Brasil vem desrespeitando o pacto de Moscou, um ousado desafio da ONU para reduzir na Década 2011-2020, 50% da mortalidade viária. Os dois primeiros anos da Década nós já perdemos, resta-nos apenas oito para cumprirmos a nossa parte.
*Fernando Diniz é pai de Fabricio Diniz, falecido em março de 2003, aos 20 anos, em tragédia de trânsito na Avenida das Américas, Barra da Tijuca. Neste acidente, mais duas jovens, Mariana e Juliane, ambas 18 anos, também perderam suas vidas. Segundo Fernando, o condutor Marcelo Henrique Negrão Kijak teve a prisão preventiva decretada e permanece foragido desde 2003, sendo procurado pela Interpol no mundo todo.


Fonte: O Globo Online

Deixe um comentário